Estudo, 16-18/03/07

Tá bem difícil manter o blog atualizado enquanto estou sem computador. Postar leva tempo, e eu estou apenas com pouco mais de 2 horas por semana no computador. Mas aí vai mais um post da série Estudo.

16/03. Comecei tocando arpejos do Carlevaro, Estudos no. 1 do Villa e no. 6 do Brouwer. Segui tocando o Prelúdio no. 1 do Villa, com algumas variações no timbre do polegar que estava um tanto impreciso, acho que uma abordagem um pouco mais perpendicular me deu um som mais definido. Ainda quero dar essa melodia grave do Prelúdio para um cellista tocar, pra eu ter uma idéia melhor de articulação. Há um tempo atrás comecei a trabalhar uma peça do Sor, Folies d’Espagne. Tema e variações, estilo bem parecido com as Variações sobre a Flauta Mágica. Embora seja uma peça de fácil leitura, descobri muitos detalhes com a ajuda do Fábio que passariam desapercebidos, e detalhes que trazem os pontos fortes da música à tona. Hoje trabalhei bastante com o tema, dividindo em três planos de intensidade diferente as seqüências de acordes, dando um sentido crescente até chegar ao ápice no último acorde. Conseguir uma igualdade de timbre e volume entre as notas do acorde e paralelamente pensar nessa divisão de planos é uma tarefa um tanto complicada, mas que agora já está saindo legal.

17/03. Fiz o aquecimento que sempre faço com os estudos do Villa e Brouwer, e defini os últimos detalhes da variação 1 da Folies d’Espagne, do Sor. Com unidade de contato para fazer as terças paralelas da melodia, o timbre sai bastante homogêneo, e com a mão esquerda fazendo quase um legatto, contrabalanceando com o timbre mais pontiagudo da mão direita, consegui uma qualidade sonora bastante interessante pra uma variação mais rápida e pontuada. A variação 2 continua difícil no quesito separação das vozes, a unidade de contato entre o i e m para fazer o acompanhamento em piano combinada com a melodia mais seca e forte está dando bastante trabalho. O que geralmente sai é uma indefinição da voz superior, e acho que um estudo que o Fábio me passou pode ajudar. Esse problema é o mesmo da variação 3, que possui a mesma divisão entre baixo, acompanhamento e melodia, que precisam ser tocados independentemente, com característica tímbrica e de intensidade igual. A variação 4 está um pouco melhor com uma intenção da melodia do baixo parecida com a intenção do Prelúdio no. 1 do Villa comentada na descrição do dia 16.

18/03. Troquei as cordas. Coloquei a Gianinni modelo Clássico, tensão alta. Estou gostando de tocar com elas, o som está bom desde a colocação, apesar da afinação ainda difícil. Embora percam muito na sustentação do baixo comparada com uma Augustine, o som está bem definido, agudos bem mais brilhantes e definidos em comparação com a corda velha. É ótimo trocar as cordas, não é? Estou trabalhando bastante no Minueto, movimento final da Folies d’Espagne do Sor. É um minueto muito bonito, e uma interpretação com um vibrato bem feito ali ou aqui dá uma sensação bastate agradável. Em alguns pontos acho que ainda posso melhorar, principalmente no ornamento já nos primeiros compassos, que apesar de ter aprendido algumas dicas com o Fábio (com o dedo anterior ao que realiza o ligado puxar a corda no sentido contrário; usar um movimento circular de braço/pulso para ajudar na força imprimida) ainda está falho. De resto está tudo bem, talvez um pouco inseguro em um compasso da segunda parte do minueto que exige uma abertura maior, mas que está sendo resolvida com uma leve inclinação do ombro esquerdo para que a mão alcance maior distância.

2 comentários sobre “Estudo, 16-18/03/07

  1. Brilhante Bruno, como sabe estou sempre por aqui e fico feliz quando você aparece no violao brasil, falar nisso fiz um wallpaper interssante, embor alguns harmonicos não batam no terceiro trates do braço ilustrado, no quinto e 12 trata ta ok, va la e comente sobre ele tem uma frase minha.

    Cara estes seus relatórios ajudam muito quem ja sabe tocar, obrigado.

    Estou pensando em fazer um pequeno livreto sobre harmonia começando da definição de herts, onda, espectro sonoro, ressonancia, efeito doplin, nota, serie harmonica, intervalos… So tem um problema como ja sei alguma coisinha muito mínima de música tenho dificuldade de encontrar o ponto de partita, por exemplo, o que relatei acima que quero envolver no livreto requer conhecimentos do que é nota, duração, ler partituras…. Acha que devo indicar o henrique pinto iniciação ao violao antes de ler o livreto que pretendo lançar no meu site? qual sua opinião de universitário, ajuda os mais ignorantes ai Bruninhooo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *